Contra a repressão da luta dos estivadores! Governo serve os patrões e defende a precariedade!

“O planeamento do navio de amanhã teve por base a garantia de uma solução para o embarque de veículos dada pelo Governo e o operador logístico”. A citação transcrita vem num comunicado da Autoeuropa de dia 21 de novembro acerca da operação para embarque de veículos daquela fábrica, suspensa pela luta heróica que os estivadores de Setúbal têm protagonizado através do seu sindicato, o SEAL (Sindicato dos Estivadores e da Actividade Logística).

Se dúvidas ainda persistem sobre o real papel deste Governo, pensamos que o referido comunicado e as imagens televisivas de hoje as vieram desfazer. Estas mostram de que lado está o Governo e ao serviço de quem está: o dos patrões. O Governo lançou a Polícia e o corpo de intervenção contra estivadores há 20 anos precários e não contra a empresa que prevarica a olhos vistos com estas contratações ilegais. A luta dos trabalhadores é mais que justa: acabar com a precariedade brutal de trabalhar ao dia em pleno século XXI. A Ministra do Mar diz-se a favor das reivindicações dos estivadores, mas envia a Polícia para garantir que a sua paralisação é furada? O Governo diz que quer virar a página da austeridade, devolver direitos, mas reprime quem luta por direitos, contra a precariedade? Substituir trabadores em greve é ilegal, mas enviar Polícia para garantir que os subsitutos conseguem ir trabalhar é uma ordem do Governo?

Este não é um Governo de esquerda, dos trabalhadores ou de mudança: é mais um Governo subserviente aos patrões, que está disposto a reprimir para lhes garantir os lucros, contra a vida de quem trabalha!

Os partidos que fazem acordos de migalhas para aprovarem o Orçamento e manter este governo (BE e PCP), fizeram-se representar em Setúbal hoje. Mas não basta só enviar uma carta, tirar uma selfie, fazer um vídeo. BE e PCP devem retirar o apoio a um Governo que não só mantém a austeridade, como está disposto a reprimir os estivadores para garantir a precariedade! A CGTP deve rodear de solidariedade esta luta para que ela possa ganhar e não permitir que seja furada pelos patrões e pelo Governo.

Hoje ficou claro que a sociedade continua dividida em classes. De um lado, o Governo e as forças da ordem a solucionarem os problemas dos patrões e das multinacionais, do outro os trabalhadores e as suas organizações. Precisamos de mais SEALs, bravo sindicato que vai à luta de verdade, em vez de responder aos seus associados que o único caminho é o dos tribunais.

Abaixo a repressão aos estivadores e a qualquer trabalhador em luta!

Toda a solidariedade para com os estivadores! Estamos juntos, Setúbal!

É preciso um sindicalismo combativo e solidário.

É preciso uma alternativa dos trabalhadores, à direita e à Geringonça.