Por que razão Lula chegou a esta situação

Lula foi condenado em primeira instância a nove anos e seis meses de prisão e recorrerá em liberdade dessa sentença. Foi julgado num dos cinco processos de corrupção em que é réu. O processo que gerou essa condenação foi sobre o caso do apartamento triplex no Guarujá. Diante deste facto, parte das lideranças burguesas (todas corruptas) comemoram. O PT, por sua vez, faz-se de vítima, como se existisse mera perseguição política por este ter “defendido os pobres contra o mercado”, o que evidentemente é uma mentira.

Os Governos do PMDB, do PSDB e do PT (todos aliados ao DEM, PP, Solidariedade e outros partidos burgueses) governaram todos e sempre para a JBS, a Odebrecht, a OAS, o Itaú, o Bradesco, a Volkswagen, a GM, a Oi, a Globo, a Embraer, o Santander, a Gerdau, etc. Todos foram comprados por eles. Isso nunca esteve tão claro para toda gente como agora.

Por isso, nem um nem outro setor tem razão. Nem PSDB, PMDB, Caiado, Dória, Aécio e companhia podem dizer que a condenação de Lula é justa sem dizer que também eles são completamente corruptos, nem o PT se pode dizer perseguido pela burguesia sem dizer que, quando esteve no Governo, só defendia os interesses dessa classe.

A classe trabalhadora, por sua vez, não tem porque escolher entre o fogo e a frigideira. Essa não é uma escolha. Entre um e outro, não escolhemos nenhum; devemos trilhar um caminho independente. Nem confiamos nem aplaudimos a justiça burguesa (e menos ainda Dória, Caiado, Bolsonaro e companhia), nem nos comprometemos a defender Lula e o PT, porque eles fizeram um Governo corrupto voltado para satisfazer os interesses do grande empresariado. Ou muitos dos corruptos comprovados que estão agora no Governo Temer não fizeram parte também dos Governos do PT?

Uma geração inteira de trabalhadores e trabalhadoras envolveu-se na construção do PT e carregou realmente no peito a esperança de construção de uma nova sociedade. Mas a direção do PT traiu esse sonho, há muitos anos, ao resolver governar esse sistema que aí está juntamente com a burguesia e para a burguesia. Durante muito tempo, não fez outra coisa que não governar para os de cima e promover ilusões para os de baixo.

A direção do PT passou a adorar e a fazer parte do ambiente dos patrões. José Alencar, o empresário que foi Vice-Presidente de Lula e de quem ele era tão amigo não era amigo dos operários da sua fábrica Coteminas, a quem explorava sem piedade. Bumlai, outro amigão de Lula, criador de gado do Mato Grosso, trata a peãozada que trabalha para ele como a Casa Grande tratava a senzala. O dono (pai) da Odebrecht, o ditador de Angola e tantos outros grandes amigos de Lula e do PT mostram que o PT fez um Governo inteiramente burguês e pró-imperialista com corruptos e corruptores. Governos burgueses são corruptos. A corrupção faz parte do capitalismo. E o PT decidiu governar o capitalismo para os capitalistas. Até Maluf defendeu Lula recentemente. Poderíamos ficar aqui a citar páginas sem fim de relações espúrias.

Frei Beto disse à imprensa que a condenação não desabona ninguém, comparando Lula com Vladimir Herzog e outros mártires da ditadura. Mas a comparação com Vladimir Herzog e outros perseguidos da ditadura – inclusivamente o Lula do passado – não é uma comparação correta.

Em 1980, Lula, Zé Maria do PSTU e dezenas mais de sindicalistas foram presos pelo DEOPS (i.e. Departamento de Ordem Pública e Social) e enquadrados na Lei de Segurança Nacional por liderarem uma greve operária e por desafiarem a Ditadura. Aquela prisão dá orgulho, enobrece, levanta a moral da classe trabalhadora, dá sentido à sua luta.  A condenação de hoje é desmoralizante, porque mesmo que Lula seja absolvido neste processo, o contexto de hoje é que o  PT está misturado com PMDB, PSDB, PP e outros da mesma laia num enorme processo de corrupção.

Ninguém, evidentemente, pode defender autoritarismo, prisão sem provas ou qualquer limitação ao direito de defesa ou às liberdades democráticas, tampouco não saber que a justiça burguesa é injusta. Não se trata disso. Mas, a situação atual de Lula não é produto de uma perseguição política à classe trabalhadora. É uma disputa entre dois campos burgueses dentro da democracia burguesa em crise.

A situação de hoje é consequência de uma política e de uma escolha. O PT decidiu governar o capitalismo brasileiro em aliança com esses partidos burgueses e corruptos. Não nos esqueçamos que Temer era Vice-Presidente de Dilma. As consequências são essas aí que todos estamos a ver.

Também é de grande hipocrisia falar em “Estado de Exceção” devido às prisões de meia dúzia de políticos e empresários. Isso salva a face dessa democracia dos ricos, que é não só corrupta como extremamente autoritária: o povo pobre e negro da periferia vive um genocídio (556 mil pessoas foram assassinadas no Brasil em 12 anos); há um processo de encarceramento em massa no Brasil. São mais de 600 mil presos e quase 300 mil são vítimas de prisão preventiva, coercitiva e sem julgamento, maioritariamente jovens, negros e pobres sem antecedentes criminais. Esta situação agravou-se, por incrível que pareça, sob os Governos do PT. Quer dizer: sob o PT tínhamos “Estado de Direito” porque só os pobres eram presos sem julgamento (Rafael Braga que o diga!) e agora temos “Estado de Exceção” por causa da Lava Jato?  Tenham santa paciência!

Esse discurso é revoltante, ainda mais quando desmontam uma Greve Geral e, pela calada, negociam com Temer e Rodrigo Maia; ou quando levamos bombas ininterruptas da Polícia ao protestarmos em Brasília contra as reformas e Temer, sabendo que elas são produto dessa democracia dos ricos e das leis repressivas aprovadas sob os Governos do PT.

Defendemos a prisão e o confisco dos bens de TODOS os corruptos e corruptores. E somos contra abafar as investigações contra quem quer que seja.

Em certa medida, não alegra ninguém que o maior expoente que a classe trabalhadora brasileira construiu na sua história acabe condenado por corrupção por ter passado para o lado da burguesia. Mas, ao mesmo tempo, o desfecho dessa tragédia e dessa farsa que o PT construiu não surpreende. Demonstra que o PT e Lula já não têm condições para representarem a classe trabalhadora, pois escolheram outros amigos e outro caminho.

A classe trabalhadora deve lutar para mandar abaixo as reformas e pôr Fora Temer e todos eles, defender a expropriação e nacionalização da JBS, Odebrecht, OAS, etc. sob controle dos trabalhadores, assim como a prisão de todos os corruptos e corruptores e a suspensão do pagamento da dívida aos banqueiros, para que os ricos paguem o preço da crise. Nessa luta, devemos procurar construir um Governo socialista dos trabalhadores, que governe por conselhos populares para garantir emprego, salário, direitos, educação, saúde, reforma agrária, o fim do machismo, do racismo, da violência e da LGBTfobia.

Lula tem direito a recorrer na justiça e defender-se. Mas não é tarefa da classe trabalhadora neste momento, de modo algum, fazer ou participar de ações em defesa de Lula ou contra Lula.

A nossa tarefa é lutar contra as reformas, derrubar Temer e esse Congresso e, ao mesmo tempo, construir uma alternativa de independência de classe, por fora do campo de colaboração de classes do PT e do campo dos partidos burgueses.

A tarefa mais importante da classe trabalhadora é forjar uma nova organização, que não concilie com a burguesia, que seja controlada a partir de baixo, que seja revolucionária e não um mero instrumento de gestão do sistema atual. Afinal, em vez de o PT mudar o Estado burguês foi o Estado e a burguesia que mudaram o PT. Isso devia ser uma profunda lição.

 Direção Nacional do PSTU

Texto originalmente publicado aqui.