Angola: Solidariedade com os 40 detidos e as vítimas da repressão ao protesto em Luanda

Ontem (24 de outubro), foram detidos cerca de 40 ativistas, conforme as estimativas da imprensa, na repressão a um protesto em Luanda. Ainda está por averiguar o número de feridos, e a organização dos protestos faz o balanço provisório de que ao menos duas pessoas foram mortas na repressão, resultado do uso indiscriminado de balas de borracha e gás lacrimogéneo contra os manifestantes e a população local.

A manifestação reivindicava melhores condições de vida, emprego, e a realização das eleições autárquicas em Angola. Ainda não se conhece a identidade de todos os detidos, mas entretanto sabemos que entre eles está o ativista Manuel Chivonde Nito Alves, um dos jovens que foi preso em 2015 por denunciar a ditadura angolana, além de 4 jornalistas. Um deputado da UNITA denunciou à imprensa ter sido agredido por forças policiais no protesto.

O governo de João Lourenço mostra mais uma vez que é apenas uma nova face para o mesmo regime, que continua a reprimir os que lutam por melhores condições de vida e por liderdades democráticas. A manifestação estava marcada há mais de duas semanas, e nas vésperas o Governo anunciou novas regras do “estado de calamidade”, a entrarem em vigor no dia da manifestação, como forma de tentar justificar mais um episódio de repressão brutal.

Expressamos toda a nossa solidariedade e exigimos a imediata libertação de todos os presos políticos!