25N | Nossas vidas importam! Plano de emergência ante a pandemia de violência

O 25N (25 de novembro) tem sido, há muitos anos, um dia de luta, de protesto e de denúncia da violência machista que sofremos todos os dias. A ONU formalizou essa data por ser o aniversário do assassinato das irmãs Mirabal nas mãos de Trujillo, o ditador dominicano que elas enfrentaram.

Pot: LIT-QI

Os números da violência aumentam ano após ano, mas nós, longe de nos intimidarmos, vamos às ruas com força cada vez maior para denunciar e dizer BASTA! Nossas vidas importam!

Este ano, a tendência infelizmente aumentou consideravelmente, porque a resposta do capitalismo à crise de saúde do Covid gerou mais sofrimento e violência contra nós.

A situação no mundo

Em todo o mundo, as mulheres vivem inseguras. Em meio à pandemia, o feminicídio, os estupros e a violência doméstica explodiram. Durante o confinamento da COVID-19, muitas mulheres estão presas em suas casas com seus agressores ou abusadores, enquanto menos abrigos e serviços estão disponíveis e é mais difícil chegar a amigos e redes de apoio.

A necessária suspensão das aulas presenciais isolou milhares de meninas e meninos da escola, deixando-os sem qualquer possibilidade de denunciar os abusos ou maus-tratos dentro da família, que com o confinamento obrigatório foi ampliado.

Isso sem falar na ilegalidade do aborto na maioria dos países, seu acesso ainda mais difícil neste momento de crise de saúde onde é permitido, e as políticas públicas de abandono da maternidade para as mulheres que decidem ser mães.

A própria ONU reconhece a gravidade da situação. De acordo com seu último relatório, a violência contra as mulheres continua sendo um problema sério em todo o mundo. “Durante o isolamento da COVID-19, muitas mulheres e meninas se isolaram em ambientes inseguros, onde correm maior risco de violência por parte de seus parceiros. Cerca de um terço das mulheres em todo o mundo sofreram violência física e / ou sexual por parte de seus parceiros; e 18% vivenciaram esse tipo de violência nos últimos 12 meses. Nos casos mais extremos, a violência contra as mulheres é letal: em todo o mundo, cerca de 137 mulheres são mortas diariamente por seus parceiros ou membros da família.”

Metade das mulheres no mundo não pode decidir sobre o uso de anticoncepcionais ou se recusar a ter relações íntimas. Isso sem falar na ilegalidade do aborto na maioria dos países, seu acesso ainda mais difícil neste momento de crise de saúde onde é permitido, e as políticas públicas de abandono da maternidade para as mulheres que decidem ser mães.

Longe de ser uma consequência da situação atual, a violência contra as mulheres é a expressão da decadência e da barbárie do sistema capitalista e de sua incapacidade de garantir a igualdade, os direitos e o fim do machismo e da violência contra as mulheres. A pandemia apenas agravou uma situação já desesperadora.

A burguesia e seus governos são cúmplices da violência

As medidas que alguns governos tomaram foram totalmente insuficientes, pior ainda aqueles que tinham uma atitude negacionista da pandemia, não fizeram nada e inclusive muitos programas de apoio e serviços básicos foram interrompidos ou diretamente encerrados devido ao caos do sistema de saúde.

As Nações Unidas estimam que seriam necessários US $ 45 milhões para combater a violência global de gênero durante a pandemia, mas nem mesmo 0,3% desse orçamento foi destinado para esse fim.

É a área menos financiada, mas as instituições internacionais da burguesia e do imperialismo não comentam: o assunto não foi mencionado no Rastreador de Políticas do Fundo Monetário Internacional (FMI), nem no Banco Mundial, nem na Proteção Social e Resposta Trabalhista à Covid-19 da Organização Internacional do Trabalho.

O agravamento da crise econômica gerada pelas respostas que os governos deram à pandemia, atingiu as mulheres trabalhadoras de forma brutal e agravou o quadro de violência e desigualdade, principalmente para as mulheres pobres e negras. Atualmente, mais da metade da população feminina mundial está desempregada; em lugares como o Sul da Ásia, o Norte da África e o Oeste da Ásia, menos de um terço das mulheres está empregada.

A pandemia e a sobrecarga das tarefas domésticas expulsaram as mulheres do mercado de trabalho, relegando-as a empregos mais precários, aumentando a diferença salarial entre homens e mulheres. Muitas trabalham nos subsetores mais afetados pela COVID-19, onde foram afetados por medidas de bloqueio, incluindo atividades remuneradas no trabalho doméstico, alojamento e alimentação e comércio varejista. As mulheres também estão na linha de frente na luta contra a pandemia, representa mais de 70% dos trabalhadores do setor saúde e enfrentam maiores riscos de infecção do que os homens no local de trabalho.

As mulheres migrantes viram sua situação piorar catastroficamente. Em muitos casos, expulsas do sistema de saúde, excluídos da miserável “ajuda” financeira e obrigadas a contrair o vírus, pois muitos são trabalhadores domésticos que, de forma precária, continuaram a ir para casas ricas para trabalhar apesar dos isolamentos obrigatórios. A grande maioria estava desempregada e teve que recorrer à prostituição.

Um capítulo à parte merece as mulheres LGBTI que são discriminadas no mercado de trabalho, lançadas na prostituição, que neste contexto de pandemia as empobreceram e as expuseram a situações ainda mais violentas do que as que já sofriam.

As consequências sociais e econômicas desta pandemia colocam as mulheres trabalhadoras e pobres, principalmente se são jovens, imigrantes, racializadas ou LGTBI, em piores condições materiais e com menos recursos para sair de um ambiente de violência machista ou enfrentar qualquer agressão.

A crise do Covid mostrou que não somos todos iguais neste sistema. A desigualdade e a opressão capitalistas foram expostas de forma mais brutal. Os trabalhadores/as, a população pobre, os marginalizados e oprimidos são os que morrem mais. Nós suportamos o pior sofrendo fome, violência, desespero e tudo para que os capitalistas salvem seus lucros. Mulheres, negros, imigrantes, indígenas, LGBTI e todos os oprimidos sofrem mais. Sofremos extenuantes jornadas de trabalho, exposições evitáveis ​​ao vírus, mortes nas ruas por falta de acesso à saúde, somadas à violência machista, xenófoba, racista e lgbtfóbica desse sistema que nos divide e oprime para nos explorar cada vez mais.

A mentira do “empoderamento”

Enquanto a violência aumenta e nós mulheres vamos às ruas em massa para lutar, o discurso que as instituições constroem é que a saída para nós é o triunfo individual e a ascensão das mulheres a cargos de poder. Infelizmente, muitas organizações que se dizem feministas, e algumas que inclusive foram às ruas junto com muitas de nós, apoiam e afirmam este discurso.

A existência de mulheres na liderança de governos, em ministérios, parlamentos ou conselhos de empresas é um exemplo de como a luta nas ruas rompe alguns preconceitos, mas não dá uma saída fundamental contra nossa opressão.

Kamala Harris, longe de ser um triunfo para as mulheres, como os progressistas querem apresentá-la ao ser a primeira vice-presidente nos Estados Unidos, é uma referência política dos capitalistas, que não hesitarão em enforcar ainda mais mulheres homens e trabalhadores e aos negros em benefício de grandes empresas.

As decisões de fechar programas de assistência à violência, ou de priorizar os orçamentos de “ajuda” aos empresários em detrimento da emergência do covid e da violência, têm sido tomadas tanto por governos de direita quanto por aqueles que se apresentam como progressistas e até se autodenominam feministas.

Até a própria ONU reconhece que seu programa “em direção à igualdade de poder e direitos iguais para as mulheres” está estagnado. São apenas 20 mulheres chefes de Estado e, embora o número de cargos femininos tenha aumentado, não passou dos 25%, assim como no setor empresarial, as mulheres nos conselhos de administração mal chegavam a 18%. Esse discurso fracassa até mesmo para as mulheres que gozam dos privilégios da classe exploradora.

Unidade de classe para lutar contra a opressão e exploração

Estamos vivendo momentos muito terríveis, a pandemia do Covid, o aprofundamento da crise econômica e a violência machista nos atormentam todos os dias. Os governos da burguesia, sejam de direita ou “progressistas”, formados por homens ou mulheres burguesas, mostram sua total incapacidade de nos dar uma resposta, porque só se preocupam que os capitalistas continuem ganhando à custa de milhões de vidas.

Carregamos o fardo, aumentamos as tarefas, cuidamos das crianças, dos idosos, dos enfermos, nos isolamos com nossos agressores, continuaram a nos estuprar, matar ou espancar por causa da nossa identidade de gênero. Nós dizemos Basta! Saímos para a rua e continuamos lutando. Saímos com as mulheres afro-americanas nos Estados Unidos, saímos com o povo chileno que ainda quer mudar tudo, saímos com as massas no Peru e na Colômbia, saímos em massa com as polonesas que querem o aborto legal, com o povo na Belarus que disse basta à ditadura.

Fomos às ruas e devemos continuar indo com a nossa classe, com os milhões de trabalhadores que já não suportam o peso que os ricos querem que carreguem. Não confiamos nos rostos femininos que colocam nos governos, nem nas armadilhas eleitorais que só favorecem os poderosos. Confiamos na nossa força, em saber que para acabar definitivamente com a violência machista e a opressão devemos lutar contra este sistema que nos explora e oprime.

Mas na luta contra o machismo e a opressão, queremos e precisamos do apoio dos homens trabalhadores, porque o machismo que oprime, humilha e superexplora as mulheres serve para dividir e enfraquecer a classe, e para aumentar a exploração de todos. os trabalhadores. Nesse sentido, somos contra todas as visões sexistas contrárias à batalha para que os homens rompam com seu próprio machismo e venham lutar conosco.

A luta por nossos direitos tem que ser de toda a classe trabalhadora, para que nossos companheiros também deixem de reproduzir o machismo e que nossas organizações lutem contra esse flagelo em nosso interior para que tenhamos um lugar na luta comum. A luta não é separada, é de forma comum combatendo o machismo dentro de nossa classe. Não há saída para acabar com a opressão sem derrubar este sistema capitalista que nos oprime e nos destrói.

Para ter um plano de emergência para violência machista, devemos lutar contra os planos de ajuste e os governos que os utilizam. Esse 25N vamos para as ruas, tomaremos medidas de cuidado, mas não deixaremos de exigir o direito de viver.

  • Chega de violência machista!
  • Chega de opressão e exploração!
  • Plano de emergência para combater a covid-19 e a violência machista! Exigimos renda garantida e casas abrigos dignas e seguras para todas!
  • Aumento drástico de recursos e orçamento para serviços de prevenção, atendimento e proteção às vítimas! Não ao pagamento da dívida!
  • Viva a luta do povo nas ruas!