Racismo e xenofobia nas universidades: Basta de tolerância para com crimes racistas!

Os muros de duas importantes universidades portuguesas (a Universidade Católica Portuguesa e o ISCTE) e de três escolas secundárias amanheceram, na última sexta feira (30 de outubro), com pichagens racistas e xenófobas extremamente graves:  “Zucas, voltem para as favelas”, “Não vos queremos aqui”, “Viva a raça branca”, “Fora com os pretos”, “Morte aos pretos”, “Morte aos ciganos”, “Por uma faculdade branca”, “Pretos voltem para África”. Aparentemente, as inscrições foram todas “assinadas” com um mesmo símbolo.

Não é o primeiro episódio deste tipo. Há poucos dias, estudantes da Universidade do Porto relataram ao Público que estudantes brasileiros foram retratados como macacos e acusados de espalhar a covid-19 na Universidade. Episódios anteriores em diferentes universidades não foram até hoje apurados.

É necessário repudiar estes atos e exigir a imediata apuração por parte das universidades e escolas, e também das demais instituições competentes, garantindo-se a punição dos responsáveis – o que não vem sendo feito para os crimes racistas em Portugal. O bárbaro assassinato de Bruno Candé sob dizeres explicitamente racistas e o silêncio das autoridades e do Governo, que dá espaço ao mito de que “Portugal não é um país racista”, recentemente expôs a urgência da resposta a este tipo de ameaças e discurso. 

O Governo abstém-se sempre de reconhecer o caráter racista dos crimes e as instituições, coniventes, não garantem o seu apuramento e a punição dos responsáveis. Pelo contrário, sob o pretexto da pandemia, temos assistido também a cada vez mais casos de brutalidade policial racista e discriminatória nos bairros que são habitados maioritariamente por negras e negros e imigrantes. É ainda mais difícil conseguir que estes crimes racistas, que são cometidos pelo próprio Estado, sejam apurados. 

Vivemos hoje um cenário de crise social e económica que vem afetando o conjunto dos trabalhadores e que afeta ainda com mais força os imigrantes, que estão em trabalhos precários e têm menos acesso a apoios. Nesse contexto, é ainda mais importante repudiar os discursos racistas e xenófobos, pois tentam jogar sobre os trabalhadores negros e imigrantes a culpa daquilo que vai mal – livrando a cara do Governo, das empresas e dos patrões. É a empresas milionárias e bancos que o Governo dá isenção de impostos (como durante o layoff) e ajudas com dinheiro público, mas os discursos racistas agem como se fossem os imigrantes que têm vantagens (o que não poderia estar mais longe de ser verdade); dizem que é deles a culpa dos despedimentos, da perda de rendimentos e do entupimento dos serviços públicos, que precarizados pelos anos de austeridade acumulados, não dão conta do atender os trabalhadores.

Todo o repúdio às pichagens racistas e xenófobas! Basta de tolerância para com crimes racistas: exigimos o seu apuramento e punição, já!