A NOSSA CLASSE

O Governo do PS não apoia os funcionários públicos

Hoje fiz greve. Sou funcionária pública desde setembro de 2018 e fui aumentada na altura enquanto tendo a categoria de Assistente Operacional, aquando da subida do salário mínimo. Mas, entretanto, subi de escalão e é a segunda vez que o Governo aumenta o meu escalão, mas foram aumentos irrisórios: pretendem aumentar-me em 2€.

Sebastião Santana, coordenador da Frente Comum afirmou ao Público: “Em 75% dos casos, um trabalhador que entre hoje na Administração Pública tem a perspetiva de mudar quatro vezes de posição remuneratória”, exemplifica o dirigente. “Não se pode pedir aos trabalhadores que sejam altamente qualificados e oferecer-lhes salários baixíssimos”[1]


“Ainda ontem [quarta-feira] o Governo disse que iria actualizar os salários da função pública em 0,9% em 2022. Se pode fazer isto, também pode ir mais longe em relação ao aumento do subsídio de alimentação, à contagem do tempo de serviço dos precários integrados no Estado ou à redução dos descontos para a ADSE”, afirmou ao PÚBLICO, antecipando o encerramento de “muitas escolas” e perturbações na generalidade dos serviços públicos.  


É urgente que o Governo pondere sobre os salários dos funcionários públicos, pois são esses trabalhadores que exercem funções na linha da frente, no caso dos hospitais e centros de saúde e também em sectores tão importantes como a Segurança Social e Escolas e Universidades.

Por salários dignos! Pela revogação do SIADAP! Pelo fim da precariedade e baixos salários! Pela retoma da progressão nas carreiras! Por serviço públicos, gratuitos e de qualidade!

O Governo do PS não apoia os funcionários públicos!

Inês Reis, funcionária da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira.


[1] https://www.publico.pt/2021/11/11/economia/noticia/greve-funcao-publica-encerrar-escolas-causar-perturbacoes-hospitais-1984597